Rio Branco, AC, 29 de maio de 2024 13:10

FGB Tur: Terceirizada da Garibaldi Brasil viaja para assistir o jogo do Flamengo com a benção do presidente da fundação

Facebook
Twitter
WhatsApp

A jovem Izis Beatriz, terceirizada da empresa Tec News, prestando serviço para à Prefeitura Municipal de Rio Branco (PMRB), sendo alocada no setor de comunicação da Fundação Municipal de Cultura Garibaldi Brasil (FGB), se tornou alvo de uma frenesi ao viajar para outro país, com o intuito de assistir o jogo do amado Flamengo, enquanto deveria estar trabalhando na capital acreana.

O Alerta Cidade fez contato com a Isis, que foi enfática ao dizer que estava viajando com a autorização do presidente da FGB, Klowsbey Pereira. “Estou viajando sim, mas com a permissão do presidente”, afirmou a jovem.

Em contato com o Klowsbey Pereira, o mesmo disse que a terceirizada não estava mais viajando, e que já tinha chegado. No entanto, contradizendo a fala do presidente, Isis confirmou que ainda estava fora do país. Questionado novamente, o responsável pela FGB disse que ela voltaria no dia de hoje, sexta-feira, 26 de abril.

Ainda em conversa com a equipe de reportagem do Alerta Cidade, Pereira informou que tudo não passa de fofoca e especulação. “Isso tudo é fofoca. As pessoas não sabem de nada e ficam falando. Ela tem direito a 5 dias de folga pelos dias que trabalhou no carnaval, tanto no final de semana e até de madrugada. Então ela está tirando esses dias agora, eu permiti”, pontou. Ao receber essas informações, nossa equipe de reportagens indagou se os funcionários que ficaram trabalhando até de madrugada, receberam hora extra, o que é um direito trabalhista. Klowsbey não respondeu.

Perguntado se outros funcionários teriam o mesmo benefício, Pereira disse que todos que trabalharam no carnaval possuem o mesmo afago. No entanto, mais uma vez sendo contrariado, o presidente foi acusado de mentir sobre isso por funcionários da FGB. “É mentira. Várias pessoas trabalharam no carnaval e não tiveram essa folga. Eu pelo menos não tive, ele nunca nem citou pra gente”, pontuou uma terceirizada que preferiu não se identificar.

A nossa equipe de reportagens procurou a Karen da Silva, que seria do setor do RH da FGB, para confirmar as informações, mas a mulher não respondeu.

O Alerta Cidade deixa este espaço em aberto para eventuais esclarecimentos por parte dos envolvidos.