Rio Branco, AC, 14 de julho de 2024 05:33

Ignorando os motoristas de aplicativo, Sebastião Bocalom assina decreto que beneficia exclusivamente taxistas

Facebook
Twitter
WhatsApp

Buscando valorizar a categoria dos taxistas atuantes na capital, a Prefeitura de Rio Branco, por meio da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (RBTrans), assinou na última quinta-feira (27), o decreto que autoriza uso de caminhonete mista para táxi e também, táxi adaptado para pessoas com deficiência física (PcD).

O superintendente da RBTRANS, Clendes Vilas Boas, ressaltou que o decreto mostra apoio para a categoria que desempenha um importante trabalho na cidade.

“Quando isso começou a surgir em vários outros municípios, eles fizeram um requerimento para a RBTrans fazer uma análise, então encaminhamos para a Procuradora Jurídica e vendo essa possibilidade, sem chance de prejudicar qualquer pessoa, foi submetido ao Poder Concedente para poder ser feito através do decreto.”

Segundo Telnízio Machado, presidente do Sindicato dos Taxistas e Condutores Autônomos do Estado do Acre (Sinticac), essa era uma reivindicação que há dez anos era pedida pela categoria.

“Com o evento dessa chegada de se ter viaturas como Montanas, Estradas, veículos que nos dão a condição de oferecer um serviço a mais à população. Com esse oferecimento, nós temos o sonho que atrairmos mais clientes e, consequentemente, o taxista volte a respirar um pouco financeiramente.”

O prefeito de Rio Branco falou sobre a necessidade de a categoria começar a operar com táxis adaptados para pessoas PcD, tendo em vista que existem pessoas com poder aquisitivo mais alto na capital e desejam sair, mas ficam limitadas aos serviços de transporte adaptado oferecidos pelo Município.

“A questão do táxi adaptado para as pessoas com deficiência é uma coisa muito coisa boa, nós temos duas vans que carregam duas pessoas por vez, só que a fila é muito grande e diversas vezes atrasa. Tem muitas pessoas com problemas físicos e motores, que podem tranquilamente pagar um táxi, ele vai ligar e chamar quando quiser, a pessoa que ele conhece com um táxi adaptado. Estou muito feliz, porque estamos cuidando de gente e dando oportunidade para aqueles que querem trabalhar mais e mais.”