Rio Branco, AC, 14 de abril de 2024 21:52

Jovem inocente é executado com tiros na cabeça na frente da própria família no Taquari

Facebook
Twitter
WhatsApp

O jovem Fábio J Pimentel, de 25 anos, teve a casa invadida e foi morto com vários tiros na frente da própria família, na noite desta quinta-feira (22), na Travessa Rio Branco, no bairro Taquari, na região do Segundo Distrito.

Segundo informações da mãe da vítima, Fábio morava na região da Baixada da Sobral, mas comprou uma casa no Taquari. Por volta das 16h, Fábio e a família dele chegaram na nova residência com toda a mudança. Porém, não tinha água na casa, e ele pediu ajuda a mãe, que está morando com outros parentes também no Taquari, para levar a esposa e as duas filhas para tomar banho.

Quando a mãe de Fábio chegou na nova casa do filho, dois homens armados chegaram no local e renderam ela e o restante da família. De acordo com o relato da mãe, um dos assassinos se aproximou de Fábio e perguntou várias vezes de onde ele tinham vindo e se pertencia alguma Organização Criminosa (ORCRIM).

O rapaz negou fazer parte do crime organizado, no entanto, acabou sendo executado com três tiros que acertaram a cabeça da vítima. Todo o crime foi assistido pela mãe da vítima, da esposa e das duas filhas. Fábio morreu antes mesmo de receber atendimento médico. Após a ação, os suspeitos fugiram do local.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionado e enviou uma ambulância de suporte avançado para dar os primeiros atendimentos, mas ao chegar no local, os socorristas só puderam atestar o óbito de Fábio.

A Polícia Militar (PM) isolou a área para os trabalhos da perícia e o corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), para os exames cadavéricos.

Policiais militares do 2º Batalhão colheram as informações para tentar procurar pelos acusados de terem matado Fábio, mas nenhum suspeito foi encontrado até o momento.

Ainda segundo informações da polícia, Fábio não possui passagens pela polícia e não pertencia a nenhum ORCRIM. Todos os detalhes foram colhidos por agentes de Polícia Civil da Equipe de Pronto Emprego (EPE) e o caso será investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).