Rio Branco, AC, 22 de julho de 2024 08:51

Acreano que foi embora para ser jogador de futebol, é morto a tiros em Goiânia e mãe diz que policiais mataram o seu filho por engano

Facebook
Twitter
WhatsApp

O jovem Kayky Farias de Castro, de 19 anos, morreu na última sexta-feira (16), no setor Marechal Rondon em Goiânia. A mãe do jovem, a acreana Maria Vanderleia Farias Gomes, acusa policiais do Grupamento de Intervenções Rápidas Ostensivas (Giro), pela morte do jovem após terem invadido o apartamento de Kayky.

Segundo Maria Vanderleia, o filho teria ido embora pra Goiânia em busca de realizar o sonho de ser jogador de futebol. No entanto, por não conseguir a realização do sonho, acabou tornando-se barbeiro.

“A gente ajudava ele, pagando aluguel, mas de uns tempos para cá ele já estava se sustentando sozinho com o trabalho. Ele tinha uma vida normal, me ligava dizendo que estava fazendo marmita para levar para o trabalho, era um menino bom”, disse a mãe do jovem.

De acordo com Maria Vanderleia, há alguns dias Kayky teria dito que iria dividir apartamento com um rapaz do Pará, e embora ela não concordasse, o filho insistiu. Além disso, ele teria saído do trabalho há poucos dias e começado a atender os clientes a domicílio.

Vanderleia conta que o filho estava se arrumando para ir fazer o cabelo de um rapaz, quando foi surpreendido pelos policiais. Segundo a família, antes de os militares irem até Kaiky, eles teriam ido na casa desse cliente, em busca de informações sobre o jovem.

“Meu filho estava sozinho em casa quando a polícia invadiu. Lá tinha uma mochila com telefones roubados, pelo que disseram. Meu filho era muito inteligente, tenho certeza que, mesmo que ele tenha feito um ato como esse, ele sabe que telefone vai ser rastreado”, disse a mãe.

Segundo Vanderleia, quando o tio de Kayky chegou no local do crime, o policial colocou alguns áudios para ele escutar, na intenção de dizer que Kayky estaria envolvido em crimes.

“O policial colocou o tio dele para ouvir uns áudios que, segundo eles, seriam do Kaiky arquitetando [crimes] e quando ele ouviu, disse que não era a voz do sobrinho”.

A mãe de Kayky pede justiça diante do ocorrido, e espera que os responsáveis sejam punidos. “nunca pensei que isso fosse acontecer comigo, com meu filho”, diz Vanderleia.