Rio Branco, AC, 22 de julho de 2024 09:52

Adolescente de 16 anos foi morto no Rosa Linda, a mando do próprio cunhado, outro menor de idade, por ele ser contra o relacionamento da irmã com o jovem

Facebook
Twitter
WhatsApp

A morte do adolescente A.O.S, de 16 anos, na noite da última quinta-feira (4), na Rua José de Alencar, no Conjunto Rosa Linda, na região do Segundo Distrito de Rio Branco, está envolta de grande mistério que a polícia começa a desvendar agora.

Após a morte de A.O.S, a Polícia Militar (PM) teve a informação que seu “cunhado”, que é um adolescente de 16 anos, vulgo é “Boladão”, estava na quadra 10F, no Conjunto Habitacional Cidade do Povo, realizando uma live para comemorar, junto a outros, a morte do namorado da irmã dele, o jovem A.O.S. O adolescente, segundo a polícia, possui dois mandados de internação por homicídio.

Os PMs do 2° Batalhão foram ao local onde o criminoso estava e encontraram “Boladão” dentro de uma residência com outro menor. Ao ver a presença dos PMs, “Boladão” pulou uma cerca e tentou se esconder no terreno de um vizinho. Já o comparsa de “Boladão” continuou dentro da residência, onde foram encontrado dois cartuchos.

“Boladão” recebeu voz de apreensão e foi conduzido para a Delegacia de Flagrantes (Defla), com o outro menor apreendido dentro da residência com as munições.

Após uma conversa com a dupla, os PMs descobriram que, na quadra 1 C, ainda na Cidade do Povo, estariam os possíveis autores da execução do adolescente A.O.S. Os militares foram até à residência indicada e prenderam mais quatro pessoas, entre elas, José Domingos Souza da Silva, 26 anos, que tinha um mandado de prisão em aberto, expedido pela Vara de Execuções Penais. Ainda na residência foram encontradas duas armas de fogo e munições de vários calibres. Até o momento, o atirador que executou o adolescente foi identificado, mas está sendo procurado.

Ainda segundo informações da polícia, “Boladão” teria mandado matar o adolescente, porque ele não concordava que a irmã, o namorasse. “Boladão” também é acusado de ser “frente da Cidade do Povo” e de ordenar ataques na região dos bairros Taquari, Rosa Linda e Cidade do Povo,

O caso continua sob investigação da Polícia Civil (PM)