Rio Branco, AC, 17 de junho de 2024 07:50

“Capetinha” é acusado de furtar casa de conselheiro de Organização Criminosa e quase morre após receber disciplina em Rio Branco

Facebook
Twitter
WhatsApp

O jovem Islândio Barroso do Nascimento, com 19 anos, conhecido como “Capetinha”, quase foi morto a golpes de madeira após ser acusado de participar de um furto na casa do conselheiro de uma Organização Criminosa (ORCRIM), na tarde desta sexta-feira (8), na Rua Maria das Dores, no Bairro Esperança.

Segundo Islândio, ele estava caminhando em via pública quando foi abordado por membros de uma ORCRIM que o acusavam de ter furtado uma TV na casa de um conselheiro. Islândio foi levado para um campo de futebol, que fica na Rua Maria das Dores, e foi agredido a golpes de madeira. Após a ação, os suspeitos fugiram do local.

A vítima ficou com vários cortes na cabeça, com o braço esquerdo quebrado, além de ter hematomas nas costas costas, no peito, no abdômen, nas pernas e nos braços. Para não morrer, Islândio correu e pediu ajuda em uma barbearia localizada na Rua Euclides da Cunha, em frente à APAE, no Bairro Esperança.

Ao verem “Capetinha” ferido e sangrando muito, populares ajudaram o rapaz e chamaram a polícia e uma ambulância.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionado e enviou uma ambulância de suporte básico, que realizou os primeiros atendimentos e encaminhou a vítima para o Pronto Socorro de Rio Branco (PS) em estado de saúde estável.

A Polícia Militar (PM) esteve no local do ocorrido, colheu informações para tentar localizar os suspeitos do crime na região, mas ninguém foi encontrado até o momento.

Ainda segundo informações de “Capetinha”, ele não foi o responsável pelo furto, mas é amigo da pessoa que participou do crime e foi obrigado a entregá-lo. Ele disse ainda que os membros da ORCRIM estavam atrás do outro rapaz e falaram que iriam matá-lo.

Agentes de Polícia Civil da Equipe de Pronto Emprego (EPE) coletaram as primeiras informações, e o caso será investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).