Rio Branco, AC, 14 de julho de 2024 00:15

Vendedora de castanha é atropelada por moto, e filhas crianças oram do lado da ambulância: “Papai do céu não deixa minha morrer”

Facebook
Twitter
WhatsApp

Carmen Rodrigues de Oliveira, de 33 anos, vendedora de castanha, ficou gravemente ferida e sua filha de 11 anos, com escoriações, na noite da última sexta-feira, 08, após serem atropeladas por um motociclista identificado como Ataíde de Carvalho Lira, de 22 anos. O acidente aconteceu na Avenida Ceará, no bairro Habitasa.

Segundo informações de populares que presenciaram o acidente, Carmen e sua filha estavam atravessando a avenida fora da faixa de pedestres nas proximidades de um semáforo na avenida Ceará, quando inesperadamente Ataíde que trafegava em uma motocicleta modelo Honda Titan, de cor preta, no sentido centro bairro atropelou a mãe e a filha. Carmen quando percebeu que iria ser atropelada, protegeu a filha e recebeu todo o impacto sendo arremesada no asfalto. A mãe bateu a cabeça no solo e caiu desmaiada. Já a filha sofreu escoriações.

A ambulância de suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionada e quando os paramédicos chegaram ao local, encontraram Carmen com uma parada cardiorrespiratória. Rapidamente a mulher foi colocada dentro da ambulância e foi inciado o protocolo de massagens cardíacas.

As filhas de Carmem, ao perceberem a gravidade do estado de saúde da mãe, se ajoelharam ao lado da ambulância e começaram a orar.

“Papai do céu protege a minha mãe, não deixa minha mãe morrer”. Após 30 minutos, Carmen que já estava até com a pupila dilatada, quase já que decretado o seu óbito pelos profissionais do SAMU, retornou seus batimentos cardíacos, sendo estabilizada e encaminhada em estado gravíssimo ao Pronto Socorro de Rio Branco (PS). Segundo a Médica do SAMU, Carmen sofreu fraturas na perna direita e no braço direito e um Traumatismo Cranioencefálico de natureza gravíssima.

O motociclista Ataíde permaneceu no local, sofreu apenas escoriações e foi encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Franco Silva, na Baixada da Sobral. A área foi isolada pelos policiais militares do batalhão de trânsito para os trabalhos de perícia.