Rio Branco, AC, 17 de junho de 2024 09:30

Guerra entre facções por domínio de território deixa um ferido no Loteamento Praia do Amapá, em Rio Branco; vídeos de ameaças foram espalhados

Facebook
Twitter
WhatsApp

O monitorado por tornozeleira eletrônica, Roberto Freire de Lima, de 42 anos, foi vítima de uma tentativa de homicídio a tiros na manhã desta segunda-feira (1º), na rua Aldeiota, no Loteamento Praia do Amapá, na região do Segundo Distrito.

Segundo informações da polícia, Roberto estava em pé na frente da residência da mãe dele, conversando com amigos, quando foi surpreendido por homens que ainda não foram identificados que estavam dentro de um carro amarelo e, armados, se aproximaram da vítima e dispararam diversas vezes contra Roberto, que foi ferido com um tiro nas costas.

Os amigos da vítima fugiram pulando cercas e muros, e não foram atingidos. Para sobreviver, Roberto correu para dentro da residência e pediu ajuda aos seus familiares. Após a ação, os suspeitos fugiram.

Familiares da vítima acionaram a polícia e uma ambulância. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) enviou viatura de suporte avançada 01, para prestar os primeiros atendimentos e estabilizar o quadro clínico da vítima. Roberto foi encaminhado ao Pronto Socorro de Rio Branco (PS) em estado de saúde estável.

A Polícia Militar (PM) esteve no local do crime, colheu as características dos suspeitos e, em seguida, fez patrulhamento na região em busca de prender os supostos autores do crime, mas nenhum foi encontrado.

A reportagem teve acesso a um vídeo gravado por supostos membros de uma Organização Criminosa (ORCRIM) ameaçando rivais dentro do Loteamento Praia do Amapá, demonstrando que a qualquer momento pode ocorrer um derramamento de sangue naquela região. As forças de segurança já estão trabalhando para identificar quem gravou o vídeo e apreender o armamento de grosso calibre mostrado no vídeo.

Ainda segundo informações, membros de uma ORCRIM acabaram migrando para outra e, com isso, os “ex-aliados” não gostaram de ver os antigos membros “rasgando a camisa”, e o clima é muito tenso na região.

Agentes de Polícia Civil da Equipe de Pronto Emprego (EPE) colheram as primeiras informações, e o caso será investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).