Rio Branco, AC, 14 de julho de 2024 05:34

Policiais responsáveis pela morte da enfermeira Géssica, podem ir à prisão domiciliar

Facebook
Twitter
WhatsApp

Os policiais do GEFRON acusados pela morte da enfermeira Géssica Melo de Oliveira, tiveram dois favoráveis para prisão domiciliar. A decisão parcial foi do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC).

No mérito do habeas corpus, o advogado Welington Silva pediu o relaxamento, a revogação ou substituição da prisão preventiva pela domiciliar dos sargentos Gleyson Costa de Souza e Cleonizio Marques Vilas Boas. Os dois militares foram presos acusados pela morte da enfermeira Géssica Melo Oliveira.

O recurso foi julgado pela Câmara Criminal na sessão da última quinta-feira, 25. A relatora do processo, Desembargadora Denise Castelo Bonfim, acatou parcialmente o pedido. O desembargador Francisco Djalma acompanhou a decisão da relatora do processo.

Mas com dois votos favoráveis para substituição da prisão preventiva pela domiciliar, o desembargador Elcio Mendes pediu vista ao processo. O voto do magistrado só será proferido na próxima sessão.

No pior cenário, para à família, os dois sargentos vão para à prisão domiciliar. Caso Elcio Mendes seja contrário à concessão do habeas corpus, a defesa dos policiais já tem a maioria dos votos. Mas se o magistrado acompanhar os demais membros da corte, o advogado Wellington Silva poderá ingressar com outro recurso, desta vez no pleno do Tribunal de Justiça (TJ).

Durante a sessão, a defesa voltou a enfatizar que o procedimento de flagrante dos policiais militares foi irregular. A enfermeira Géssica Melo morreu na manhã do dia 2 de dezembro de 2023, após ser atingida disparos de arma de fogo durante uma perseguição policial na Br-317.

Como o julgamento do habeas corpus ainda não foi finalizado, os agentes, vão permanecer no Batalhão de Policiamento Ambiental até a conclusão do julgamento.

Com informações do portal de notícias OSeringal.