Rio Branco, AC, 14 de julho de 2024 05:17

Empresários, ex-funcionários e bancos acusam o dono da “Rota do Boi” de não pagar dívidas e caso ganha destaque na internet

Facebook
Twitter
WhatsApp

A conhecida rede de produtos alimentícios, em específico, carnes, “Rota do Boi”, pediu recuperação judicial na Comarca do Município de Senador Guiomard. Mesmo comercializando mais de 500 cabeças de gado por mês, a empresa alega estar passando por hipossuficiência financeira, devido a, de acordo com eles, diminuição do consumo de carne no Brasil, dificuldades enfrentadas pelos pequenos frigoríficos e ausência de mão de obra qualificada, dentre outros.

Em 12 de dezembro de 2023, o juíz Afonso Braña Muniz acatou o pedido de recuperação judicial, nomeando Sérgio Rony da Silva como administrador judicial, com prazo improrrogável de 60 dias para apresentação de plano de recuperação.

Dívidas e cobranças na Justiça

A Leilo Marca estaria sendo cobrada judicialmente em processos movidos por bancos. Sicoob Credilsul, cooperativa de crédito e investimento do Sudoeste da Amazônia LTDA, teria afirmado que um empréstimo não foi pago e cobra quase 2 milhões de reais, e solicitou a penhora de um dos imóveis da rede, localizado em Rio Branco como garantia para receber o valor que supostamente é devido.

Denúncias recebidas pelo Alerta Cidade

Diversos microempreendedores que criam e vendem gado no Acre, entraram em contato com a equipe do Alerta Cidade com o intuito de denunciarem a empresa “Na Rota do Boi”, pois de acordo com eles, a empresa os deve muito dinheiro, mas estaria se negando a pagar. Não apenas isso, como também denunciam ausência de pagamento de funcionários.

“Olá, boa tarde. Gostaria de falar umas coisas se possível anônima, pois não sabemos hoje em dia como reagirão as pessoas. É sobre a tão falada hoje Rota do Boi. Meu esposo trabalhou nessa empresa durante uns meses, foi quando houve uma suposta reunião na qual cumpririam aviso, mas eles prometeram assinar novamente a carteira, passado os dias eles retornaram com a reunião que a empresa passaria a ser fechada, houve uma conversa na qual era pro meu esposo receber 4.000 e pouco, aí eles fizeram assinar um papel em branco na qual afirmava segundo eles que meu esposo tinha assinado e aceito receber durante 24 meses, todo mês 200 reais. Pagaram um mês correto e até agora não falam mais nada. Se você puder postar eu agradeço pois não foi só com meu esposo, mas sim com diversas pessoas”, pontuou uma pessoa que denunciou mas prefere não ser identificada.

A equipe do Alerta Cidade entrou com contato com a assessoria jurídica por meio do Dr. Everton Frota, que representando a empresa, negou o que fora a esta redação denunciado.

“Sobre o vídeo, destaco que já estão sendo tomadas medidas judiciais, eis que o referido senhor já recebeu todo o valor que tinha para receber da empresa Frigorota. Além disso, a referida pessoa falta com a verdade, eis que a Casa de Carne Rota do Boi não possui qualquer débito com ele. Destaco ainda que os valores que o Frigorífico devia era vinte e poucos mil e estava com apenas um dia de atraso, quando o referido cidadão fez o vídeo temerário.

Já no tocante a supostas denúncias de ex-funcionários, destaco que todos os acordos com ex-funcionários do Frigorífico foram conduzidos inclusive com a presença do Sindicato. Ninguém da empresa jamais forneceu nenhum documento em branco para qualquer funcionário ou colaborador assinar”, afirmou Frota.