Rio Branco, AC, 21 de abril de 2024 07:06

Prestes a chegar no Acre, Jair Bolsonaro é indiciado pela PF por fraude em cartão de vacina

Facebook
Twitter
WhatsApp

Bolsonaro foi implicado pelos crimes de associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema de informações

A Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente Jair Bolsonaro, o tenente-coronel Mauro Cid (ex-ajudante de ordens da Presidência da República) e o deputado federal Gutemberg Reis (MDB-RJ) por fraudes em cartões de vacinação.

Bolsonaro foi indiciado pelos crimes de associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema de informações. Cid foi indiciado também pelo crime de uso indevido de documento falso.

O advogado de Jair Bolsonaro, Fabio W., criticou o fato de ter conhecimento do indiciamento do ex-presidente pela imprensa.

“Vazamentos continuam aos montes ou melhor aos litros. É lamentável quando a autoridade usa a imprensa para comunicar ato formal que logicamente deveria ter revestimento técnico e procedimental ao invés de midiático e parcial”, disse ele, por meio do X – antigo Twitter.

Próximos passos

A PF vai encaminhar todas as conclusões do inquérito para o Ministério Público Federal (MPF). Como a investigação está no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF) caberá ao procurador-geral da República, Paulo Gonet, decidir se denunciará ou não Bolsonaro e Mauro Cid.

Pelo crime de organização criminosa, Bolsonaro poderia ser condenado a uma pena de três a oito anos de prisão, mais multa; o crime de inserção de dados falsos tem como pena máxima dois anos de detenção.

De acordo com as investigações da Polícia Federal, o grupo teria sido responsável por falsificar os dados nas carteiras de vacinação de Bolsonaro; da filha do ex-presidente, Laura; do ex-ajudante de ordens, tenente-coronel Mauro Cid; e da mulher e as três filhas de Cid.

O relatório da Polícia Federal sobre a Operação Venire revela que o cartão falso de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro (foto) foi impresso nas dependências do Palácio do Planalto.

A PF afirma que a impressão foi feita pelo tenente-coronel Mauro Cid, que detinha seu login e senha no Conecte SUS — aplicativo do governo federal que dá acesso à carteira de vacinação.

Em depoimento prestado à Polícia Federal, o ex-presidente Jair Bolsonaro negou aos agentes a adulteração de seu cartão de vacinação e diz que não determinou ao tenente-coronel Mauro Cid – ex-ajudante de ordens da Presidência da República – qualquer iniciativa neste sentido.