Rio Branco, AC, 29 de maio de 2024 13:06

“Se a gente não tivesse o Calegário defendendo a gente, ninguém estava nem aí pra nós”, diz funcionário terceirizado no Acre

Facebook
Twitter
WhatsApp

O serviço terceirizado na administração pública surgiu como uma possibilidade de otimização da execução de tarefas, desafogando as entidades estatais e aumentando o capital da região por meio da contração de empresas de prestação de serviços, gerando por consequência maior empregabilidade local. No entanto, o que nasceu com o intuito de ajudar, acabou se transformando em um transtorno para algumas famílias que têm seus respectivos salários atrasados, por motivos variados.

O Deputado Estadual Fagner Calegário (Podemos) surge neste cenário como o maior defensor da classe na Assembleia Legislativa do Estado do Acre (ALEAC), fazendo uso constante do parlamento para reforçar o respeito e a valorização dos servidores terceirizados no estado.

No último dia 26 de março, na ALEAC, Calegário abordou sobre a crescente quantidade de pedidos de ajuda que tem recebido nas redes sociais, vindos de pais e mães de família que estão passando por sérias dificuldades financeiras devido aos atrasos salariais.

O deputado informou que muitos trabalhadores têm enfrentado atrasos no recebimento de seus salários, resultando em situações extremas como cortes de energia elétrica e falta de alimentos em casa. Ele ressaltou que a situação é especialmente crítica em municípios como Sena Madureira, Feijó e Tarauacá, onde os pedidos de ajuda têm sido frequentes e alarmantes.

O Alerta Cidade ouviu alguns servidores terceirizados que foram categóricos ao falar sobre o parlamentar. “É muito simples, se a gente não tivesse o Calegário defendendo gente ninguém estava nem aí pra nós, porque a realidade é que enquanto o salário dos bonitos tá na conta todo mês, a gente tem que se ajoelhar pra pedir a Deus que o nosso não atrase”, pontuou um funcionário que preferiu não se identificar por medo de retaliação.